ÔĽŅ Recado | Pessoa Bonita / Blog
  • No caminho com Maiakovisk.

    Data: 24/12/2012 | Categoria: Recado | Coment√°rios: 0

      Boa tarde, Levi!

    Veja abaixo o fragmento do poema ‚ÄúNo Caminho com Maiak√≥viski‚ÄĚ, sobre o qual lhe falei. Foi escrito pelo poeta brasileiro Eduardo Alves da Costa, e, injustamente, por erro de interpreta√ß√£o, atribu√≠do a Maiak√≥viski, poeta russo.¬†

    Como bem conversamos, creio que se encaixa em qualquer situa√ß√£o¬†onde nos tornamos ref√©ns da passividade‚Ķ F√°cil condi√ß√£o, numa √©poca em que os ladr√Ķes de valores da subjetividade alheia se apresentam com m√ļltiplas faces, n√£o raro diante do espelho… Roubam confian√ßa, gentileza, sinceridade, boa f√©, delicadeza… E tudo¬†de forma t√£o veloz, e¬†t√£o maci√ßa, que¬†por pregui√ßa ou por cansa√ßo, optamos por funcionar no autom√°tico, ignorando se¬†somos apenas v√≠timas ou se ora somos algozes.¬†¬†

    Leia com a J√ļlia, e veja como ela interpreta‚Ķ Sim, precisamos cuidar das flores‚Ķ¬†Creio que seja uma¬†pertinente reflex√£o para uma v√©spera de Natal e¬†in√≠cio de novo ano.

       Um grande e forte abraço,

    No caminho com Maiakovski

    “[...]¬† Na primeira noite eles se aproximam
    e roubam uma flor
    do nosso jardim.
    E n√£o dizemos nada.
    Na segunda noite, j√° n√£o se escondem;
    pisam as flores,
    matam nosso c√£o,
    e n√£o dizemos nada.
    Até que um dia,
    o mais fr√°gil deles
    entra sozinho em nossa casa,
    rouba-nos a luz, e,
    conhecendo nosso medo,
    arranca-nos a voz da garganta.
    E j√° n√£o podemos dizer nada. [...]“

Busca

Categorias

Estetica Mente

Ponto a Ponto

Postagens


Home | Apresentação | Blog | Entrevistas | Fale Conosco